Funcionários do CER Leblon estão sem pagamento e sem direito às refeições diárias

Funcionários do CER Leblon estão sem pagamento e sem direito às refeições diárias

Com salários atrasados e sem direito a refeições há pelo menos duas semanas, os funcionários da Coordenação de Emergência Regional (CER) Leblon, anexa ao Hospital Municipal Miguel Couto, foram surpreendidos, ontem, com uma feijoada.

O mimo foi um presente do administrador de empresas Luiz Fernando Priolli, que resolveu, com a ajuda de uma tia, fornecer quentinhas aos médicos, enfermeiros e auxiliares.

A solidariedade foi uma forma de agradecimento : no início do mês, a mãe de Luiz Fernando Priolli foi internada na unidade e, segundo ele, recebeu ótimo tratamento antes de morrer.

— Tive a informação de que os funcionários estão sem alimentação e fiquei indignado. Com ajuda da minha tia, resolvi fazer cerca de 60 quentinhas. É um gasto alto, mas vou tentar manter até que a situação seja regularizada. O que não dá é para ver trabalhadores que salvam vidas passando fome — disse Priolli.

Segundo uma enfermeira do CER Leblon, que não quis se identificar, os funcionários tinham direito a três refeições diárias no Miguel Couto :

—Nós ganhávamos tíquetes para o café da manhã, almoço e jantar. Mas, de uma hora para outra, isso acabou.

Ontem, funcionários em greve protestaram em frente à unidade, administrada pela Organização Social (OS) Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina. Uma médica disse que faltam antibióticos e dieta própria para pacientes com sonda.

— Já acontecem reuniões para o fechamento do laboratório e de leitos do CTI na próxima semana — contou.

Em nota, a direção do CER Leblon negou a falta de antibióticos. A OS não se pronunciou. Já a Secretaria municipal de Saúde informou que, diante da crise fiscal, as pastas da Saúde e da Fazenda trabalham juntas em busca de recursos para realizar os pagamentos em atraso, mas não deu prazo.

Fonte : Jornal Extra

Lei proíbe cobrança para estacionar em hospital

setembro 22, 2017 por · Comments
Filed under: Cartório na Barra da Tijuca, Cartório no Centro RJ 

Lei proíbe cobrança para estacionar em hospital

hospital

A Câmara Municipal do Rio derrubou na terça-feira o veto do prefeito Marcelo Crivella à lei, aprovada pelos vereadores em julho, proibindo que o estacionamento em hospitais, clínicas, laboratórios e ambulatórios seja cobrado de pacientes e seus acompanhantes.

A determinação, que vale para unidades públicas e particulares só entrará em vigor quando for regulamentada pelo município, o que não tem previsão.

Mesmo assim, a Associação de Hospitais do Estado do Rio (Aherj) informou que entrará na Justiça com um recurso, argumentando a inconstitucionalidade da lei.

Segundo a Aherj, a lei invade a esfera privada dos prestadores de serviços de saúde, desconsiderando que os estacionamentos não são restritos a pacientes, sendo também utilizados por médicos e equipes cirúrgicas.

A lei, de autoria do vereador Dr. Gilberto (PMN), foi aprovada em julho, mas vetada pelo prefeito Marcelo Crivella, que alegou que cabe à União e aos estados legislar sobre os direitos do consumidor, e não ao município.

Após o veto, o projeto retornou à Câmara e foi promulgado pelos vereadores no dia último 19.

A lei determina multa de R$ 900 para descumprimento e de R$1.800 em caso reincidente.

Fonte : Jornal Extra