Bancos privados suspendem greve no Rio de Janeiro

Bancos privados suspendem greve no Rio de Janeiro

bancariossetembroentidade

Após quatro semanas em greve, bancários privados e do Banco do Brasil aceitam proposta da Fenaban e suspendem paralização nesta quinta-feira (6) em todo o estado. A Caixa Econômica Federal foi o único banco que rejeitou as propostas e manteve a greve. O Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro confirmou a decisão.

A Federação Nacional dos Bancos apresentou na quarta-feira (5) às lideranças sindicais dos bancários a proposta global que prevê o pagamento de abono único de R$ 3.500 a ser pago em até 10 dias após a assinatura da CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) e reajuste de 8,0% para salários, pisos salariais, benefícios e para os valore fixos e tetos expressos em reais da PLR (Participação nos Lucros e Resultados).

A proposta prevê, também, reajuste diferenciado, de 15,0%, especificamente para os valores do auxílio cesta alimentação e décima-terceira cesta alimentação e, de 10,0%, sobre os valores do Auxílio Refeição e do Auxílio-Creche/Babá.

Mais de 400 agências estavam fechadas, equivalente a mais de 39%, segundo o sindicato dos bancários.  Em assembleia realizada na última segunda-feira (3), a categoria rejeitou a proposta da Fenaban, apresentada na quarta-feira (28).

No 29º dia da greve, a paralisação se intencificou, atingindo várias regiões e deixando pelo menos 435 agências com as portas fechadas no Centro, Glória, Campo Grande, Pavuna, Rio Comprido e Copacabana, além de seis prédios administrativos.

Fonte : Globo.com

Greve dos bancários continua sem previsão para acabar no país

Greve dos bancários continua sem previsão para acabar no país

bancariossetembroentidade

A greve dos bancários completa, nesta sexta-feira, 18 dias sem perspectiva de fechamento de acordo com os bancos.

Ontem, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), a paralisação afetou 13.159 agências em todo o país, incluindo as do Rio de Janeiro. O número representa 55% do total.

Diante do impasse, o Comando Nacional dos Bancários se reúne segunda-feira, em São Paulo para definir os próximos passos do movimento. Não há previsão de nova negociação.

No Rio, a OAB-RJ entrou com ação civil pública com pedido de “restabelecimento imediato, durante o expediente bancário, de efetivo mínimo de 30% dos funcionários nas agências conveniadas com órgãos do poder judiciário em todo o Rio de Janeiro”.

A OAB alegava que a greve impede “o cumprimento dos mandatos judiciais de pagamento dos valores depositados em contas judiciais”.

De acordo com o Sindicato dos Bancários do Rio, o juiz titular da 60ª Vara do Trabalho, Robert de Assunção Aguiar, determinou apenas que duas agências em todo o município (uma da Caixa Econômica, na Rua do Lavradio, no TRT e outra do Banco do Brasil, no Fórum Central, na Av. Erasmo Braga) façam este tipo de atendimento.

Fonte : O Dia

 

Procon orienta clientes como quitar débitos durante a greve dos bancários

Procon orienta clientes como quitar débitos durante a greve dos bancários

bancariossetembroentidade

Com a deflagração da greve nos bancários em várias cidades do Brasil na manhã da última terça-feira (6), o Procon-PE resolveu orientar os consumidores que precisam quitar seus débitos durante a paralisação.

A gerente jurídica do órgão, Danyele Sena, ressalta que a mobilização é legal, porém não pode acarretar nenhum prejuízo para a população.

Ela explica que o primeiro passo é procurar meios alternativos para pagar a conta com vencimento.

Caso não haja outra forma, o consumidor não precisa esperar o fim da greve para procurar o Procon. “Ele deve nos buscar o quanto antes porque se tiver algum tipo de problema nós já tomamos as providências e acionamos o banco se preciso”, completa.

Os caixas eletrônicos podem ser utilizados em caso de saques, depósitos, emissão de folhas de cheques, transferências e saques de benefícios sociais.

Agendamento e pagamento de contas só podem ser feitas nos caixas eletrônicos

“O consumidor ter que olhar se há algum banco ou instituição conveniada como a Caixa Econômica que aceitem aquele boleto. Se realmente não tiver, ele não pode sofrer nenhum tipo de prejuízo por isso. O serviço bancário é essencial”, diz ao pontuar que mesmo em greve, os bancos precisam disponibilizar envelopes e abastecimento de caixas eletrônicos para os procedimentos que podem ser feitos nesses meios.

“Se ele [cliente] se sentir lesado ele pode ir direto ao Procon. Nós vamos analisar caso a caso, mas é importante ele saber que não se pode cobrar juros por algo que ele não teve culpa. Por isso ele tem que comprovar que ele não conseguiu realizar aquela operação por causa da greve, que não houve outros meios”.

O órgão ainda recomenda que o consumidor pergunte às empresas as opções de pagamento como : internet, casas lotéricas e código de barras para pagamento nos caixas eletrônicos.

As alternativas atuais  para os clientes são os correspondentes bancários, como casas lotéricas, postos dos Correios e supermercados, onde é possível pagar contas e faturas de concessionárias de serviços públicos, sacar dinheiro e benefícios, e fazer depósitos, entre outros serviços, como orienta a Federação Brasileiro de Bancos (Febraban).

Fonte : Globo.com