Governo presta contas ao STF e atua em outros tribunais para evitar novas greves

Governo presta contas ao STF e atua em outros tribunais para evitar novas greves

stfpredio

No momento em que a crise desencadeada pelos caminhoneiros começa a arrefecer, o governo Michel Temer faz uma força-tarefa para prestar contas ao STF e convencer outros tribunais a não encorajarem novas paralisações.

Relator no Supremo da ação que autorizou o uso das forças de segurança na liberação de rodovias, o ministro Alexandre de Moraes recebeu, na segunda (28), a advogada-geral da União, Grace Mendonça, o ministro Raul Jungmann (Segurança) e o diretor da PF, Rogério Galloro.

Além de ingressar com a ação, Grace Mendonça foi ao Tribunal Superior do Trabalho defender a proibição da greve dos petroleiros.

A AGU argumenta que a categoria está sob acordo coletivo até agosto do ano que vem e que tem motivação política para instigar paralisação.

Ainda na segunda, Alexandre de Moraes recebeu, em seu gabinete no STF, o comandante do Exército, general Villas Bôas. Há uma preocupação em deixar o ministro a par das ações em curso. A liminar em que ele autorizou o uso de efetivo policial foi um ativo para o Planalto em momento de extrema fragilidade.

Na segunda (28), Grace Mendonça também esteve com a presidente do Supremo, Cármen Lúcia. Ela é uma das poucas integrantes do governo Michel Temer que tem boa relação de fato com a ministra. Pessoas próximas à presidente do STF dizem que ela manifestou profunda preocupação com o quadro nacional. Além de Grace Mendonça, a presidente do STF falou sobre o assunto com Raul Jungmann e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O ministro Gilmar Mendes tem dito que o levante dos caminhoneiros e a reação da sociedade deveriam estimular a reflexão dos colegas. “Ninguém foi às ruas pedir a ascensão de juízes ou promotores. Eles pediram os militares.”

Gilmar Mendes e o presidente Michel Temer falaram por telefone diversas vezes desde que o levante começou, há 11 dias. O ministro opinou, por exemplo, sobre o decreto editado pelo governo que permitiu a requisição de bens para assegurar o abastecimento em meio à ação paredista.

Fonte : Folha de S.Paulo

Comentários